Darth Vader

Darth Vader: O Despertar do Spin-off

Aviso: este artigo contém spoilers dos filmes da saga ‘Star Wars’, assim como dos livros, comics e série animada ‘Star Wars Rebels’.

Através da mistura de uma história competente, cenas de ação bem conseguidas e a quantidade perfeita de fan service, Rogue One tornou-se num enorme sucesso de bilheteira e demonstrou que os espetadores estão claramente abertos a filmes que abordem as histórias alternativas do mundo Star Wars. Com esta experiência bem sucedida, a Lucasfilm e a Disney verificaram que existe um enorme mercado a explorar para além da nova trilogia cujo primeiro capítulo se intitula The Force Awakens. Como resposta a esta súbita “necessidade”, surge um spin-off sobre a juventude de Han Solo, interpretado por Alden Ehrenreich (Hail, Caesar!), que vai contar com o regresso de personagens já conhecidas do público, como por exemplo Lando Calrissian, interpretado por Donald Glover (Atlanta). Porém, após o arrepiante cameo de Darth Vader em Rogue One, muitos fãs têm levantado a questão: porque não um spin-off sobre Darth Vader?

Inicialmente a ideia pode parecer um bocado absurda devido à quantidade de material relacionado com o vilão a que já fomos expostos, quer como Vader, quer como Anakin Skywalker. Contudo, Rogue One quebrou esta absurdez com uma abordagem ligeiramente diferente ao Vader a que todos estavam habituados. Quer a cena situada num misterioso castelo, em que este aparenta realizar uma espécie de tratamento/recuperação num tanque, quer a sequência em que “despacha” um grupo de soldados rebeldes, voltaram a acender a chama na mente dos fãs. Afinal, o que andou Darth Vader a fazer entre os acontecimentos de Revenge of the Sith (episódio III de 2005) e Rogue One?

Tendo em conta esta interrogação, surgem várias questões que poderiam ser abordadas por um filme antológico dedicado exclusivamente à personagem:

O estado emocional de Vader após ‘Revenge of the Sith’

Anakin Skywalker acabou de perder tudo aquilo que sempre amou e tentou, ainda que duma forma distorcida, proteger – o seu mestre, a sua amada e, literalmente, partes do seu corpo. Em acrescento, o senador Palpatine (Lord Sidious) conta-lhe a trágica mentira de que este foi o responsável máximo pela morte de Padmé. Anakin passou dum Jedi respeitado e apaixonado, prestes a ser pai, a um ser que representa tudo aquilo que havia jurado destruir. A sua vida deu uma enorme volta e esta seria sem dúvida uma questão interessante a ser explorada do ponto de vista humano e emocional, possivelmente utilizando um ator de renome, caso se optasse por filmar cenas sem capacete, e uma boa dose de caracterização, visto que a cara de Anakin ficou bastante deformada após o confronto com Obi-Wan Kenobi.

A relação com Palpatine aka Lord Sidious

O Senador Palpatine já vinha a instigar dúvidas e medos na mente de Anakin faz bastante tempo, tentando mostrar-lhe a dualidade da Força. Apesar de ser um Jedi bastante poderoso, a viragem de Anakin para o Lado Negro da Força exigiu diferentes tipos de aprendizagem e sacrifícios. Lord Sidious tornou-se o seu mestre e este viu-se novamente no papel de aprendiz, agora num contexto diferente. Para além de ser mais uma narrativa inexplorada, funcionaria como uma espécie de âncora para o terceiro episódio da saga em que Anakin já era, de certa forma, instruído pelo Imperador.

Darth Vader

O castelo sinistro de ‘Rogue One’

Depois de Pablo Hidalgo, membro da equipa criativa de Star Wars Rebels, ter confirmado, via Twitter, que o castelo em que Darth Vader recebe a visita do Tenente Krennic (Ben Mendelsohn) se situa em Mustafar, gerou-se um hype considerável em relação a esta questão. Porque vive Darth Vader num local onde já lhe foi causada tanta dor? Recorde-se que foi neste planeta magmático que Anakin e Obi-Wan lutaram, combate que terminou com a derrota do primeiro. Foi igualmente neste local que Anakin, segundo a versão pérfida de Palpatine, causou a morte de Padmé. Para além desta vertente emocional, todo o cenário parece adequado a transformar um possível spin-off  ali passado numa experiência fora do normal devido ao look negro e dantesco do castelo.

Toda a gente gosta dum anti-herói

Tendo em conta que é visto por muitos como o vilão mais icónico da história do cinema, até que ponto não seria interessante explorar as aventuras intergaláticas de Darth Vader ao serviço do Império? Não como um vilão, mas como alguém que se encontra numa missão de restaurar a paz na galáxia, salvo seja, e que ainda esconde um lado humano e misericordioso, como se pode deduzir dos episódios mais antigos da saga. Óbvio que tal caminho criativo teria de ser conduzido de forma a exponencializar a crueldade que Vader viria a apresentar no futuro. Não obstante, poderia ser uma excelente oportunidade para a Disney criar algum tipo de enredo com ramificações para a trilogia mais recente ou que acrescentasse informação relevante ao que já nos foi mostrado. No fundo, toda a gente gosta dum anti-herói. Por exemplo, num dos comics da Marvel, Vader embarca, sem autorização do Imperador, numa missão secreta com o objetivo de adquirir uma tecnologia experimental. Nesta viagem, estabelece uma curiosa parceria com uma arqueologista chamada Aphra, que desperta nele alguns dos traços psicológicos típicos de Anakin Skywalker. Considerando este exemplo, uma versão cinematográfica que incorporasse a forma como o vilão interage com o mundo e as pessoas a quem não quer infligir algum tipo de violência não seria de todo descabida.

Darth Vader

Apesar de todos estes aspetos, que poderiam repercutir-se positivamente num filme sobre Darth Vader, surgem contrariedades bastante significativas:

  • Dar demasiado tempo de antena a Vader poderia arruinar a mística por detrás da personagem. Fazendo a soma, todas as aparições de Vader na versão cinematográfica de Star Wars não perfazem vinte minutos. Dar-lhe demasiada exposição pode banalizar a sua figura e eliminar o entusiasmo à volta da sua presença. Por outro lado, seria extremamente complicado fazer um filme em que o protagonista passaria a maioria do tempo com uma máscara, apesar desse revés poder ser combatido com os silêncios incómodos ou acenos de cabeça que se tornaram famosos e oferecem à personagem uma expressividade totalmente inconvencional.
  • Tendo em mente que Vader é provavelmente o ser mais poderoso da galáxia, até que ponto será possível encontrar um desafio ou adversário à sua altura? Visto que todos os filmes da saga têm como mote alguma espécie de conflito, criar um enredo que consiga transformar o potencial destruidor de Vader numa experiência que desperte incerteza seria uma tarefa ingrata. A possibilidade mais atraente é o surgimento dum vilão ainda mais temível capaz de se intrometer nos planos do Imperador e do seu aprendiz. Ou seja, uma personagem cujos objetivos sejam totalmente sinistros e destrutivos, tornando-se o filme numa luta entre um Mal menor e um Mal maior. Por exemplo, no videojogo ‘The Force Unleashed’, Darth Vader tem um aprendiz secreto chamado Galen Marek aka Starkiller que poderia ser utilizado no mundo cinematográfico num formato do tipo “aprendiz torna-se mais maléfico que o mestre”. E, entrando no campo da especulação, até que ponto o Supremo Líder Snoke não poderá ser um antagonista que em tempos foi derrotado por Vader? E agora que este e o Imperador pereceram, ocupou esse “vazio” como chefe da Primeira Ordem e líder dos Cavaleiros de Ren. Esta seria uma narrativa especialmente interessante pois faria uma ligação clara e convincente com a trilogia recente. Outra opção seria o aparecimento dum Jedi (ou vários) pronto a rivalizar com Vader. Esta hipótese já foi abordada na série animada Star Wars Rebels quando este enfrenta Ahsoka Tano, a aprendiz secreta que “apadrinhou” ainda enquanto Jedi (Anakin Skywalker).
  • Já existe bastante material alusivo às acções de Darth Vader entre os acontecimentos de Revenge of the Sith e Rogue One:

– O livro ‘Star Wars: Lords of the Sith’, escrito por Paul S. Kemp, relata uma viagem em que a nave onde seguem Darth Vader e o Imperador se despenha. Como consequência, estes veem-se obrigados a lutar contra uma série de insetos gigantes e, de seguida, têm de enfrentar rebeldes da Resistência. Nesta viagem, Vader resgata uma criança que mais tarde acaba por matar, por ordem do Imperador;

– O livro ‘Star Wars: Tarkin’ , escrito por James Luceno, relata a forma como Vader e Grand Moff Tarkin criam uma ténue relação de amizade e desvendam um plano de insurreição contra o Império;

Darth Vader

– A série animada Star Wars Rebels apresenta-nos alguns cavaleiros Jedi que sobreviveram à purga levada a cabo pelo Império e, em alguns episódios, entram em confronto com Darth Vader. A série continua em exibição e pode vir a acrescentar informação sobre a personagem.

Sendo o material referido canon , ou seja, fazendo parte do universo/conteúdo considerado oficial do franchise (não faz parte do Expanded Universe), um futuro filme não poderia ignorar estas narrativas, podendo no máximo adaptá-las ao mundo cinematográfico.

Darth Vader

Em conclusão, criar um spin-off sobre Darth Vader parece uma tarefa quase impossível ou, pelo menos, arriscadíssima. Caso os resultados não fossem os pretendidos, correria-se o risco de danificar toda a atmosfera mítica que envolve a personagem. Ao ser executada, tal proeza teria de ser extremamente bem planeada, com uma clara visão artística, por um cineasta de topo que pusesse todo o seu talento ao serviço desta possível epopeia. O seu tema principal provavelmente seria a ironia negra inerente ao facto de que a incapacidade de Anakin em aceitar a morte dos seus entes queridos é precisamente o que conduz, em primeiro lugar, ao desaparecimento destes. Darth Vader é essencialmente uma vítima do amor obsessivo que nutria por Padmé e das escolhas que fez para a tentar proteger.

 

 

Partilhar